2006-04-27
A Musa ao Espelho na Sem Mais Nem Menos

 

A livraria Sem Mais Nem Menos (Rua Mártires da Liberdade), do amigo da "aguasfurtadas" Mário Teixeira, recebe amanhã A Musa ao Espelho. Neste projecto de José Carlos Tinoco, outro amigo da nossa revista, a música junta-se à voz dos poetas portugueses proporcionando uma irresistível receita para ouvir e sentir. O concerto tem início às 22h00. Imperdível!

furtado por Luisa Marinho | 15:33 | 1 comentários

.....................................................................................................................................

2006-04-26
Abril sempre, laxismo nunca mais

 

Hoje, dia 26 de Abril, pelas 22h00, o Jornal Universitário do Porto (Rua Miguel Bombarda, 187, Porto) acolhe os poetas Rui Lage e António Pedro Ribeiro, fundadores da "aguasfurtadas", numa tertúlia poética subordinada à poesia da revolução e da resistência, e moderada pelas jornalistas Susana Marinho e Silvia Lopes.

Haverá cravos e vinho.

furtado por Rui Manuel Amaral | 08:12 | 1 comentários

.....................................................................................................................................

2006-04-20
"aguasfurtadas" 8 na revista UPorto

 

A UPorto, Revista dos Antigos Alunos da Universidade do Porto, inclui na sua edição de Março uma breve referência à "aguasfurtadas" 8, destacando em particular a secção de música.
Leia o texto na íntegra aqui.

furtado por Rui Manuel Amaral | 08:44 | 0 comentários

.....................................................................................................................................

2006-04-13
Are we there yet?

 

Dizer que a aguasfurtadas 9 (AF9 para os amigos) está na gaveta não é dizer mal dela, não é dizer que tarda, não é dizer que estamos aqui todos, no nosso escritório comum de um prédio bafiento em Miguel Bombarda, a contar as moscas que se atiram contra os vidros*. É dizer, isso sim, que está pronta, à espera de ser lançada à estampa e de ser distribuída por uma carrinha com pintura nova.

Quando a AF9 chegar nessa carrinha, levará com ela não só uma viagem pelas livrarias de Portugal, mas uma viagem pelo Perú. O responsável pelo inesperado desvio chama-se Jorge Garcia Pereira:


2005 | Jorge Garcia Pereira | Perú


*Estúpido insecto, a mosca.

furtado por leandro ribeiro | 14:51 | 0 comentários

.....................................................................................................................................

2006-04-10
"aguasfurtadas" na imprensa açoriana

 

A "aguasfurtadas" 8 é notícia no semanário "Expresso das Nove", de Ponta Delgada, na sua edição de 7 de Abril. Carlos Bessa, autor do texto, debruça-se com algum cuidado sobre todas as secções da revista, destacando diversas colaborações.
Leia o texto na íntegra aqui.

furtado por Rui Manuel Amaral | 08:26 | 0 comentários

.....................................................................................................................................

2006-04-07
Pedro Ribeiro em destaque no JN de hoje

 

António Pedro Ribeiro, um dos fundadores e colaborador da "aguasfurtadas", está em destaque na edição de hoje do Jornal de Notícias, a propósito da sessão de lançamento do seu novo livro de poemas "Declaração de Amor ao Primeiro-Ministro" (Objecto Cardíaco), que teve lugar no dia 5 de Abril, no Bar Púcaros, no Porto.

A "aguasfurtadas" 9 (disponível muito em breve) inclui três poemas do Pedro Ribeiro, entre os quais este inédito, "A saudação triunfal do gerente".

A SAUDAÇÃO TRIUNFAL DO GERENTE

O gerente do café saúda-me calorosamente
e tudo se ergue triunfal à minha volta
os vidros estalam as cadeiras rangem
os empregados de mesa
fazem malabarismos com as bandejas

o gerente do café saúda-me
faz trocadilhos com as minhas barbas
e o mundo renasce
num copo de cerveja.

furtado por Rui Manuel Amaral | 13:41 | 0 comentários

.....................................................................................................................................

2006-04-04
4'33''

 

"O silêncio era um conceito por ele [John Cage] visto como uma oposição ao som. Só a partir de 1951, quando, em Harvard, entrou numa câmara anecóica (um espaço fechado sem som reflectido) se deu conta que existiam dois sons (...): um agudo, o sistema nervoso, e outro mais grave - a circulação sanguínea. Nos seus escritos, o compositor relata frequentamente a história desta experiência (...):

It was after I got to Boston that I went into the anechoic chamber at Harvard University. Anybody who knows me knows this story. I am constantly telling it. Anyway, in that silent room, I heard two sounds, one high and one low. Afterward I asked the engineer in charge why, if the room was so silent, I had heard two sounds. He said, 'Describe them.' I did. He said, 'The high one was your nervous system in operation. The low one was your blood in circulation.'*

(...)
Após essa experiência fulcral, compunha em 1952 a peça mais polémica de todo o seu acervo - 4'33''. A primeira audição ocorreu no mesmo ano, em Woodstock, pelo pianista David Tudor. A peça consiste em quatro minutos e trinta segundos de silêncio, nos quais o intérprete nada toca.
(...)
Ao idealizar uma peça silenciosa, o seu principal intuito seria demonstrar que o silêncio não existe, passando o termo a referir-se a todos os sons que ocorrem no Universo e que não dependem da vontade do compositor no momento em que este inicia o processo de composição.
Para além da experiência da câmara anecóica, outra vivência, desta feita de natureza mais directamente artística, despoletara a execução do ousado projecto: a exposição das 'White Paintings' de Rauschenberg. Segundo Cage, a ideia de Rauschenberg, ao elaborar uma exposição onde uma das obras era constituída por três painéis de tela branca sem mais conteúdo, impulsionou-o a concretizar o seu antigo desejo de compor uma peça completamente silenciosa. Segundo ele, são duas abordagens diferentes da mesma questão. Os sons ambientais de 4'33'' relacionam-se com as partículas de pó, as sombras e as mudanças de luz que as 'White Paintings' exibem, ou seja, tudo o que está ao alcance do olhar, para lá do que é representado pelo pintor na tela."

Excerto do ensaio de Ana Cancela Pires sobre a obra de John Cage, incluído na revista "aguasfurtadas" 9. Em breve, numa livraria perto de si.

* Cage, "How to pass and kick and fall and run", in "A year from Monday", 1967, p. 134.

furtado por Rui Manuel Amaral | 15:37 | 0 comentários

.....................................................................................................................................

2006-04-03
"aguasfurtadas" 9. Peça.

 

"Não sei o que possa dizer para me penitenciar. Não sei o que possa dizer para vos mostrar que estou arrependido por ter entrevistado o homem que, na realidade, matou Salazar. Sim, soube-o durante anos. E o meu pai obrigou-me a guardar segredo. E a dizer que sim senhor que ele tinha caído de uma cadeira, 'mas por ele próprio', avisava-me o velho. Sempre achei engraçado, porque se fosse um anónimo miserável a cair da cadeira diriam que já não se segurava, teríamos pena dele. Mas Salazar não... dele, orgulhamo-nos de dizer: 'caiu sozinho, ninguém o derrubou.'"

Fala do personagem "Jornalista", na Cena Quinta e Última da magnífica peça de Nuno F. Santos, "Os Condenados", incluída na "aguasfurtadas" 9, em breve numa livraria perto de si.

furtado por Rui Manuel Amaral | 13:32 | 1 comentários

.....................................................................................................................................

Bem-vindo ao blogue da
aguasfurtadas
revista de literatura, música e artes visuais

| g r u p o e d i t o r i a l |

| i n f o |

A "aguasfurtadas" é uma edição do Núcleo de Jornalismo Académico do Porto.

Rua Miguel Bombarda, 187, R/C, 4050-381 Porto.

| n ú m e r o a c t u a l |

| a g u a s f u r t a d a s 1 0 |


Poemas de Angélica Freitas (com introdução de Ricardo Domeneck), Rogério Rôla (com introdução de Margarida Vale de Gato), Vítor Oliveira Jorge, Pedro Amaral, Gez Walsh (com tradução de Hélder Moura Pereira), Stéphane Mallarmé (com tradução de Manuel Resende) e William Shakespeare (com tradução de Manuel Resende).
Contos de António Gregório e Luís Graça.
Ensaios de Manuel António Pina, Tiago Bartolomeu Costa, Samuel Silva e João Pedro d'Alvarenga.
E ainda um texto de Óssip Mandelstam, com tradução de Nina Guerra e Filipe Guerra.
Ilustrações de Arff, Ana Justo, João Marçal, Francisco Cruz, Pedro Augusto, Scotch, Ana Xé Ribeiro e Agostinho Santos (com texto introdutório de André Sousa Martins).
Fotografias de Ângelo Fernandes, António Vieira, Filipe Silva, Luís Duarte, Hélio Mateus, Sofia Serrão e Fátima Séneca.
Bd de Jorge Soares.
Partituras de Ângela Ponte, Nuno Estrela e Nuno Peixoto de Pinho.
CD áudio com obras de Ângela Ponte, Nuno Estrela, Nuno Peixoto de Pinho, Carla Oliveira, Fátima Fonte e Gustavo Costa.


| P o n t o s d e v e n d a |


Em Lisboa:
Livraria Da Mariquinhas

No Porto:
Galeria Sargadelos
Pulga
Poetria
Unicepe
Matéria Prima
Maria vai com as outras
Leitura
Livraria Utopia (Rua da Regeneração, 22; Telef.: 222 083 526).
Livraria Nova Fronteira (C. C. Brasília, Rotunda da Boavista).
Biblioteca Musical (Rua Cândido dos Reis).
Livraria Índex (Rua D. Manuel II, junto ao Palácio de Cristal).

Encomendas on-line: A revista também pode ser encomendada via internet. Para isso, basta usar os serviços de encomenda on-line das livrarias acima citadas ou através de um pedido directo para o editor, enviando um mail para jup@jup.pt.

| b l o g a r c h i v e s |























-->